Biomoda – Descubra porque a microbiologia é a nova aposta da indústria

por Francieli Hess
/ 19 julho 2018 / 1comentarios

Iris van Herpen Couture 2018

A biomoda é uma área recente, inovadora e muito promissora. Ela alia o melhor da tecnologia com a microbiologia para desenvolver tecidos, estampas e até mesmo criar peças inteiras a partir de bactérias.

Criada a partir de uma mistura entre ciência, natureza e criatividade, a Biomoda é um setor que integra design e sistemas biológicos com maestria. O objetivo, aqui, é alcançar um melhor desempenho ecológico e utilizar a tecnologia na manipulação de microorganismos dentro da indústria.

 

Biomoda – Criando têxteis a partir de células

Uma das grandes macrotendências para o futuro é a simbiose tecnológica.  Através dos avanços científicos nos campos da biotecnologia, nanotecnologia e robótica, surge o conceito do design vivo, inspirado nas soluções da natureza e pensado para resolver problemas comuns ao dia a dia. 

A startup Modern Meadow é uma das pioneiras na criação do couro cruelty-free, desenvolvido inteiramente em laboratório a partir do colágeno extraído de células de levedura. No site institucional, a marca apresenta sua visão:

“Ao longo da história, a inovação material marcou nosso progresso. Na Era da Pedra, dominamos materiais naturais como couro, seda e lã. A Era dos Plásticos nos trouxe polímeros sintéticos, e a Era da Informação abriu a própria vida: o DNA. Agora, podemos usar o kit de ferramentas da natureza para criar materiais avançados que nos conduzem à  Era da Biofabricação.

Na Modern Meadow, visamos a criação de um mundo de materiais biofabricados que oferecem infinitas possibilidades de design e, em larga escala, deixarão uma pegada ambiental menor no planeta.”

Camiseta de couro criado a partir de células de colágeno extraídas de leveduras. Gostou? Siga a gente no Instagram: @fashionbubblesoficial

Após 5 anos de pesquisa unindo design, biologia e engenharia, a Modern Meadow lançou sua própria marca, a Zoa. O biocouro da Zoa é um material avançado, cultivado a partir do colágeno das células de levedura. Esse colágeno é o material fundamental que compõe o couro. É ele que resta depois que o cabelo, a gordura e os tecidos são removidos da pele.

A partir desse processo exclusivo, desenvolvido em 2014, hoje a empresa consegue produzir em grande escala com custos similares aos do couro tradicional.

 

Biocouro em estado líquido e, ao lado, swatches do material finalizado.

A ideia da Modern Meadow é colocar o biocouro Zoa no mercado até 2019. Para realizar esse objetivo, o time trabalha em colaboração com grandes marcas de alcance mundial.

Biomoda – Criando estampas a partir de microorganismos

O site brasileiro Divaholic é uma das referências mais bacanas em conteúdos sobre biomoda. Foi nele que conheci o trabalho da designer Natsai Audrey Chieza, uma pesquisadora  transdisciplinar cujo trabalho atravessa fronteiras entre tecnologia, biologia, design e estudos culturais.

Ela é fundadora e diretora criativa da Faber Futures, um estúdio criativo que conceitua, protótipos e avalia a próxima geração de materiais que estão surgindo através da simbiose tecnológica.

Chieza criou um trabalho inovador de estamparia através da manipulação de colônias da bactéria Streptomyces coelicolor, que produz um corante vermelho púrpura. O processo é simples e, ao mesmo tempo, genial.

A designer insere lenços de seda em recipientes próprios para a cultura dos microorganismos. Assim,  as bactérias vivas passam a produzir seus pigmentos únicos diretamente sobre o tecido.

Além do vermelho, ela também descobriu como estimular as bactérias a produzirem novas colorações. Agora, a variedade de cores expande ainda mais as possibilidades da técnica.

Quer saber mais sobre o trabalho da designer? Não deixe de conferir a entrevista completa de Natsai Audrey Chieza para o site Ideo.

Biomoda – Processo de estamparia feita a partir do cultivo de bactérias.

Para aprender:

O site Divaholic organiza, em São Paulo, a oficina BioFashion, focada na criação de projetos de moda sustentáveis de moda utilizando Microrganismos. A última edição foi no dia 26/05/2018, mas vale ficar de olho para participar da próxima. Clique aqui para maiores informações.

Gostou do assunto? Continue a leitura acessando nossas fontes: Divaholic, Futur404, Design Brasil e Ideo.

19 julho 2018
Francieli Hess

Francieli Hess

Francieli Hess é formada em Design de Moda pela UDESC e já estudou Cultura e Progettazione della Moda em Florença. Trabalha como estilista freelancer em Florianópolis e é apaixonada por criação, história, branding e comunicação. Instagram: @fvhess