História do Macacão – Origem e movimentos

por Larissa Lima
/ 04 novembro 2019

O macacão surgiu como vestimenta para classe trabalhadora. A princípio, a costura do traje foi criada para customizar uniformes e só depois ganhou força na indústria da moda.

Conheça a história da peça que está em uso por décadas. Perca o medo de utilizá-la, afinal, o macacão já virou um clássico e promete permanecer vivo tanto nas passarelas, como nas ruas!

*Foto de abertura: Zazzle

De onde surgiu o macacão?

Por mais estranho que pareça, o macacão foi uma peça pensada exclusivamente para o sexo masculino. Vemos sua primeira aparição em meados de 1850, quando houve a necessidade de unir a calça e o avental para os trabalhadores da época.

FOTO: FABRIZIO, Italy.

Fique por dentro da Moda, das novidades e tendências, siga a gente no Instagram: @fashionbubblesoficial.

A Primeira Guerra Mundial (1910-1930)

Durante a Guerra, muitas mulheres substituíram seus homens no trabalho enquanto eles estavam em campo. Sem vestimenta apropriada para a nova tarefa, elas passaram a vestir peças masculinas para o local de trabalho, tornando o macacão parte de suas roupas casuais.

As mulheres usando macacão masculino quando tiveram que substituir os homens nos trabalhos do campo durante a Primeira Guerra Mundial. Foto: Vintage Dancer
Mulheres usando macacão entre 1910 e 1930 em foto original da época –
Pinterest
O macacão marcando o empoderamento feminino através do trabalho. Foto: Flickr

O “Clube dos macacões”

Como consequência da Guerra e retorno dos homens, muitos setores tiveram seus preços inflacionados, inclusive o vestuário. Como uma maneira de protesto contra a crise econômica, surgiu o “Clube dos macacões”.

Os homens abandonaram seus ternos e gravatas para vestirem seus macacões, com o intuito de não comprarem nenhum novo traje. Juízes, advogados, banqueiros e médicos eram os principais profissionais a adotarem o uso do macacão.

“Usem seus macacões.”

Anúncio no Jornal para o Clube do Macacão após a Guerra. Foto: Domínio Público

A repercussão na época foi tão grande, que a sede do protesto em Birmingham (Alabama) possuiu cerca de cinco mil membros. Universidades, igrejas e movimentos sociais se uniram a causa e até acarretaram punições para quem utilizasse terno.

Políticos da época que eram contra o movimento, afirmavam a irrelevância do ato, e acreditavam que isso só acarretaria o aumento no custo do macacão, impossibilitando a aquisição daqueles que realmente precisavam utilizar a peça.

Posteriormente o preço do macacão aumento de US $2 para US $6, mas o movimento conseguiu reduziu a demanda por roupas e sapatos novos, e consequentemente os preços diminuíram e voltaram ao normal.

Pós Guerra (1940)

O macacão ganhou tanta visibilidade, que passou a ser vestido por atores em filmes de Hollywood e ganhou a atenção em muitos lugares do mundo. Nesse período, nasceram modelos projetados para complementar o corpo feminino.

A aparência ficou mais ajustada, surgiram bolsos maiores, fivelas e diferentes tecidos, sendo mais pesados feitos em materiais como o denim. A peça se tornou referência para elas nos anos 50, 60 e 70, chamando cada vez mais a atenção da indústria.

Nos dias atuais

O macacão conquistou passarelas, celebridades, estações e diversos modelos surgiram para agradar a cada tipo de corpo e estilo.

Na atualidade, se transformou em uma peça funcional que se modernizou e proporciona looks super fashion e descolados com a cara da mulher moderna.

Em suma, o macacão contribui na aparência e valorização do corpo da mulher. Traz conforto e uma aparência “mais saudável”!

Denise Pitta, editora do Fashion Bubbles, também é adepta do macacão. Na foto apostou em modelo em jeans da Grife Lady Rock.

04 novembro 2019
Larissa Lima

Larissa Lima