A dor e o prazer dos sapatos em uma mostra incrível

por Samantha Mahawasala
/ 02 junho 2015

Toda mulher que ama sapatos sabe conhece muito bem a relação entre dor e prazer. Em Londres, uma exibição vai mostrar como essa relação se construiu através do tempo e ao redor do mundo. Do dia 13 de junho de 2015 ao dia 31 de janeiro de 2016, o Victoria and Albert Museum, museu que é referência em arte e design, vai abrigar a exposição Shoes: Pleasure and Pain (Sapatos: Prazer e Dor, em tradução livre).

A mostra apresenta os extremos dos calçados de todo o mundo em 200 pares, que incluem desde uma sandália decorada com folhas de ouro puro do Egito Antigo até os sapatos elaborados pelos designers contemporâneos.

De pé em pé, a exibição mostra o significado cultural das peças e também faz uma análise do desenvolvimento tecnológico do footwear, que cria a possibilidade de saltos esdrúxulos e shapes dramáticos. Shoes: Pleasure and Pain conta com sapatos históricos que nunca foram exibidos antes.

A exposição é patrocinada pela Clarks, como parte da comemoração da marca. Confira alguns dos sapatos que fazem parte da mostra:

Sapato indiano do século 19, feito de madeira, prata e ouro, usado por noivas. 

 Sapato do século 17, feito com uma espécie de plataforma para não afundar na lama. 

Mulheres da alta sociedade entre os séculos 15 e 17 subiam nessas plataformas como uma forma de serem colocadas em um pedestal. 

Sapato super pontudo, um símbolo de status no século 19. 

Outro sapato estilo “pedestal”, mas esse modelo é da China. 

Parece dos anos 70, mas esse Ferragamo nasceu em 1938. 

O sapato de Vivienne Westwood que derrubou Naomi Campbell na passarela em 1993. 

 Bota masculina dos anos 70. 

Design de 2013 de Zaha Hadid. 

Criação de Andreia Chaves feita com impressão 3D em 2011. 

Sapato de 2011 de Noritaka Tatehana, uma das designers queridinhas da Lady Gaga. 

 Mojito é o nome desse sapato feito com fibra de carbono em 2009 de Julian Hakes. 

02 junho 2015
Samantha Mahawasala

Samantha Mahawasala

Paulistana formada em jornalismo pela Universidade Metodista de São Paulo e com curso técnico de locução pela Rádioficina. Atuou como redatora e locutora no Grupo Bandeirantes de Rádio e também como repórter para um telejornal segmentado.