Qual a origem das Festas Juninas e seus trajes típicos? A história das comemorações de São João

por Francieli Hess
/ 21 junho 2019 / 2comentarios

A origem dos trajes típicos das Festas Juninas é um exemplo da riqueza multicultural do nosso país. São João é uma comemoração tão tipicamente brasileira que parece coisa da nossa terra. No entanto, sua origem remonta há séculos antes do catolicismo e essa celebração evoluiu muito até chegar por aqui.

Para compreender melhor a origem dos trajes típicos das Festas Juninas, vamos analisar um pouco da rica história que envolve a data:

Lingeries para mulheres maduras: Helena Schargel lança linha 60+

De onde vieram as Festas Juninas?

Doces, milho, quentão, quadrilhas e fogueira são indispensáveis para uma boa festa de São João. A fogueira é, inclusive, o ponto que conecta a origem da celebração. Antes de Cristo, as civilizações já acendiam o fogo para celebrar o solstício de Verão Europeu.

Foi só no século VI que a Igreja Católica associou as celebrações pagãs ao aniversário do santo que batizou Jesus. Dois séculos depois, os portugueses passaram a aproveitar o mês de junho para outras comemorações. Assim, São Pedro, São João e Santo Antônio passaram a ser celebrados.

Desde quando comemoramos São João no Brasil?

As festas de São João foram transportadas para o Brasil Colonial e são populares desde 1583. Veja, por exemplo, o que o jesuíta Fernão Cardim escreveu no ano de 1583, no famoso Tratado da Terra e da Gente do Brasil:

A mais alegre é a das fogueiras de São João, porque suas aldeias ardem em fogo e, para saltarem as fogueiras, não os estorva a roupa, ainda que algumas vezes chamusquem o couro”.

Naquela período, então, já tínhamos grandes fogueiras e celebrações com alimentos típicos. Como Junho é a época da safra do milho, boa parte das comidas leva o cereal. Alguns séculos depois, a família real portuguesa chegou ao Brasil com mais de 15 mil aristocratas. Foi então que novos elementos culturais foram acrescentados à essa festa, já tão multicultural.

Festa Junina, Anita Malfati

Afinal, qual a origem dos trajes típicos das Festas Juninas?

Festa Junina Clube Espéria, São Paulo 1933 (Revista Esperia/Junho de 1933/)

De acordo com os antropólogos Renato da Silva Queiroz, da USP, e Maria Amália Giffoni, a origem dos trajes típicos das Festas Juninas deve muito à corte do período colonial. De modo geral, foram os aristocratas que trouxeram as quadrilhas para o Brasil.

Originada em Paris no século XVIII, esse tipo de dança era conhecido como “quadrille” e teve como origem a contradança que, por sua vez, surgiu com os ingleses. Era muito dançada nos bailes camponeses da Normandia e da Inglaterra. Já em solo tupiniquim, nos salões da nobreza os casais dançavam trocando de pares. Usavam anáguas, roupas exageradas, perucas e tudo mais que a moda francesa mandava.

Quadrille française, via Wikipedia

Imagem via Elevados

Quando a contradança saiu dos salões para invadir as festas populares, os trajes típicos tinham influência nas roupas da nobreza. Mesmo os camponeses vestiam suas melhores roupas.

Deste modo, os vestidos femininos ganharam movimento, estrutura e volume com anáguas volumosas ideais para dançar quadrilha. Para os homens, o traje com camisa, calça e colete era inspirado naquele da nobreza. Com o tempo, reinterpretações foram surgindo.

Festa junina em Votorantim, 1925

Festa junina nos anos 60, em Blumenau -SC. Imagem: Werner Reimer

Casamento na roça em Senhor do Bonfim, em 1982 (Foto: Arquivo CORREIO)

Ao final do século XIX, por exemplo, as damas dançavam quadrilha com vestidos pouco rodados, compridos, com gola alta e cintura bem marcada. Ele era complementado com botinas de salto. Já os cavalheiros vestiam colete, paletó alongados até o joelho com três botões, calças ajustadas e camisa de colarinho duro. Como acessórios, gravata de laço e botinas.

Por que os trajes juninos são conhecidos como caipiras?

Depois que as quadrilhas chegaram ao Brasil, a contradança foi estilizada, ganhando influência da capoeira dos escravos misturada com a pouca e, futuramente, o forró, já que a festa virou queridinha do Nordeste.

Como a celebração se popularizou muito entre os camponeses, os sapatos de salto foram substituídos por sandálias simples de couro, tecidos caros foram trocados pelas chitas e o chapéu de palha, muito usado no trabalho do campo para proteger do sol, foi acrescentado ao traje.

Festa Junina na década de 1940

Para as mulheres, os vestidos encurtaram devido ao calor e a praticidade. Já as calças masculinas eram remendadas por necessidade, para ganhar uma cara nova, já que muitos camponeses possuíam poucas peças e também as utilizavam para trabalhar nas lavouras. Esse mix de criatividade com necessidade originou os trajes que estamos acostumados a ver hoje.

Para curtir ainda mais as festa juninas entre no clima com nossos artigos de estilo e trajes típicos:

Fontes: Super Interessante, Criartes, Jornal da Paraíba, Elevados.

View this post on Instagram

Cansada de repetir o make básico das festas de São João? Então está na hora de apostar em uma maquiagem junina mais fashion. . Reunimos muitas inspirações, desde as mais conceituais até as mais simples para você se transformar em uma caipira sexy e linda.💁🏼‍♀️💄💋 . Para vídeos com tutorial, passo a passo e muitas dicas bacanas, veja artigo completo no www.fashionbubbles.com. . #fashionbubblesdiy • • #makedefestajunina #maquiagemdesaojoao #maquiagemdesãojoão #makes #festajunina #festajunina2019 #saojoao2019 #saojoaocampinagrande #saojoaodelrei #vemsaojoao #vemsãojoão #maquiagem #maquiagemlovers #dicasdemaquiagem #makecaipira #caipirachic #caipirachique #caipirachicsô #maquiagemjunina #maquiagemfestajunina #blogsdemoda #fashionbubbles

A post shared by Fashion Bubbles – Denise Pitta (@fashionbubblesoficial) on

Confira Festa de São João realizada em hotel de luxo em São Paulo, o Grand Mercure Ibirapuera:

21 junho 2019
Francieli Hess

Francieli Hess

Francieli Hess é formada em Design de Moda pela UDESC e já estudou Cultura e Progettazione della Moda em Florença. Trabalha como estilista freelancer em Florianópolis e é apaixonada por criação, história, branding e comunicação. Instagram: @fvhess