Byojaku e Aegyo Sal – A maquiagem com “cara de ressaca” é moda entre as asiáticas

por Samantha Mahawasala
/ 28 agosto 2015

As mentes asiáticas são sempre extremas – seja para a inovação ou para as excentricidades. De uma forma ou de outra, essa galera está sempre surpreendendo o mundo.

Se você é uma das muitas mulheres que gostam de uma boa festa e as aproveita ao máximo, provavelmente precisa saber lidar com a famosa “cara de ressaca” do dia seguinte. Ou não – já que agora essa look muito familiar para algumas pessoas é uma grande tendência entre as japonesas e coreanas.

Pois elas estão mesmo apostando nesse look que destaca as olheiras e dá um ar de cansaço. É quase um contra movimento aos rostinhos de boneca que tantas mulheres tentam alcançar. Criada em meados de 2013, a técnica, que as japonesas chamam de byojaku e a coreanas de aegyo sal, consiste em passar uma sombra mais escura na parte debaixo dos olhos com uma mais clara logo acima, próximo à linha d’água, enquanto as bochechas ganham destaque com um blush rosa.

Para elas, a maquiagem de ressaca transmite um ar de jovialidade. Há quem faça pra ficar com uma cara realmente de doente, ou então a opção “fofa” dessa tendência. “Dizem que os olhos podem expressar mais do que palavras. Acreditem ou não, os olhos inchados emitem um olhar mais jovial. Eles são realmente muito populares na Ásia!”, diz a blogueira de beleza Michelle Phan em seu vídeo tutorial de “puffy eyes” no YouTube que já ultrapassa dois milhões de views. Confira abaixo:

[http://www.youtube.com/watch?v=BKIXS_LGYcU]

 Byojaku e Aegyo Sal – A maquiagem que imita cara de ressaca 

 Make com cara de ressaca é moda entre as asiáticas 

  Byojaku e Aegyo Sal – A maquiagem que imita cara de ressaca 

  Make com cara de ressaca é moda entre as asiáticas 

  Byojaku e Aegyo Sal – A maquiagem que imita cara de ressaca 

28 agosto 2015
Samantha Mahawasala

Samantha Mahawasala

Paulistana formada em jornalismo pela Universidade Metodista de São Paulo e com curso técnico de locução pela Rádioficina. Atuou como redatora e locutora no Grupo Bandeirantes de Rádio e também como repórter para um telejornal segmentado.