Retrospectiva 2017 – As transformações mais marcantes do ano no mundo da moda

por Francieli Hess
/ 13 dezembro 2017

Feminismo, sustentabilidade e personalização foram os conceitos que delinearam o ano – Retrospectiva 2017

Chegamos ao mês de dezembro e mais um ciclo anual se encerra. De acordo com o levantamento do site Lyst, as duas palavras mais usadas no mundo da moda em 2017 foram “power” (poder) e “woke”(do verbo acordar, uma referência a como as pessoas devem estar cientes em relação ao que acontece no mundo). Essas duas palavras mostram a força de um ano pautado pelo feminismo e por movimentos sociais que ganham cada vez mais espaço nas ruas e, consequentemente, nas passarelas.

Retrospectiva 2017 – Fatos marcantes

Igualdade, sustentabilidade e empatia foram algumas das pautas mais frequentes em 2017. Com o mundo da moda despertando cada vez mais para a consciência social, as passarelas foram inundadas por mensagens políticas enquanto o mundo enfrentava tempos turbulentos. Veja abaixo algumas das transformações mais importantes que rolaram ao longo do ano:

Cultura Trans

2017 também foi o ano em que o conceito TRANS em todos os seus sentidos ganhou força na coletividade evocando seus mais variados aspectos: Transgêneros, Transparência, Transformação em uma sociedade de Transição. Movimento que permanecerá forte para as próximas estações mantendo a questão da diversidade em voga.
Pabllo Vittar. Saiba mais sobre o movimento Trans em: A Cultura TRANS, o movimento Transexual e seu impacto em uma sociedade de Transição. Já em relação a moda meia arrastão e referencias oitentistas também reinaram em 2017

 Nomes que ganharam força na música e na moda e que traduzem a cultura trans, entretanto o movimento de se transformar tende a migrar para outras questões além do gênero

 

Grandes grifes dizem adeus ao uso de pele animal e buscam materiais alternativos

‘Peles não são modernas, são datadas’, declarou Marco Bizzarri, presidente da Gucci ao anunciar que a marca irá banir o material da sua cadeia de produção. Cada vez mais empresas enveredam pelo mesmo caminho, mostrando uma tendência mundial. O Net-A-Porter, um dos maiores varejistas de moda do mundo, também deixou de vender peles de animais em seu website no ano de 2017. O grupo Armani e marcas como Hugo Boss, Calvin Klein, Tommy Hilfiger e Ralph Lauren está no mesmo time, buscando alternativas sustentáveis e sem exploração para criar as suas peças.

 Até mesmo o couro de origem animal está aos poucos sendo substituídos. Já existem alternativas feitas de vinho, abacaxi e até mesmo de algodão e látex, versão criada pela designer brasileira Flavia Aranha. Além disso, o reaproveitamento criativo de materiais e os impactos do descarte de resíduos criados pela indústria passa a ser amplamente discutido, com marcas buscando aplicar o conceito do desperdício zero.

Sustentabilidade – Descubra como são feitos os materiais alternativos ao couro

Retrospectiva 2017: Zero Waste Daniel – Conheça o designer transforma retalhos em roupas inovadoras aplicando o conceito “desperdício zero”.

Menos skinny jeans e mais conforto

Os jeans justinhos reinaram absolutos no coração e no armário das mulherada por muitos anos. No entanto, em 2017 vimos o modelo sofrer uma queda na popularidade e, de acordo com a WGSN, as passarelas registraram um aumento de 93% no lançamento jeans mais amplos, com modelagens diferenciadas como flare, pantalona, pantacourt e mom (aquele modelo clássico Levi’s 501, que marcou os anos 80). 

Enquanto material, o jeans manteve-se forte no pódio de queridinho dos designers, que apostam nele até mesmo para criar peças com pegada alfaiataria. Na ala das tendências, o temido mix de jeans com jeans também voltou a despontar entre as celebridades e segue forte para o próximo ano.

Jeans com jeans – Clique para ler tudo sobre a tendência que as celebs adoram!

 

Beleza: quanto mais natural, melhor!

O feminismo foi uma das pautas mais fortes do ano e teve reflexos bastante positivos na indústria. Gigantes do e-commerce, como a Asos, deixaram de retocar as estrias e celulites de suas modelos de biquíni, seguindo o movimento iniciado pela marca de lingerie Aerie. O corpo feminino passa a ser cada vez mais aceito, impulsionando a indústria da moda plus size.

A Target trouxe mulheres reais, sem retoques de photoshop e com direito a sorrisão para apresentar sua coleção de beachwear. Na Allure de julho, a modelo Halima Aden aparece sorridente, vibrando de orgulho ao ser a primeira capa da história da revista à usar um hijab.

Nas passarelas, a beleza dos desfiles deixou de ser marcada por contornos excessivos a la Kim Kardashian, dando espaço para rostos mais próximos ao real, com poucos retoques e um glow saudável, nada excessivo. Para as sobrancelhas, a moda agora é fugir dos fios excessivamente alinhados e apostar em um look mais selvagem, com os pelos ao natural.

Lanvin e Maison Margiela 

Retrospectiva 2017 – Sobrancelhas ao natural foram destaque nas passarelas

 

Mulheres maduras ganham destaque como modelos

Com 68 anos, a modelo Maye Musk se transformou em embaixadora da Covergirl, sendo oficialmente a mulher mais velha a ocupar esse posto em toda a história da marca. O ano de 2017 veio para provar que a idade é apenas um número, trazendo empoderamento para milhares de mulheres madurs que agora podem se ver representadas na grande mídia.

Maye Musk, embaixadora da Covergirl aos 68 anos.

Retrospectiva 2017 – Mulheres maduras se transformaram em modelos importantes no circuito internacional, provando que a idade é apenas um número.

A blogueira e professora universitária Lyn Slater, criadora do Accidental Icon, é outro expoente dessa mudança pela qual o mundo da moda está passando. Ela se transformou em uma das modelos mais comentadas do último ano após ser confundida com uma famosa na saída de um desfile da NYFW e hoje divide o seu tempo entre a carreira acadêmica e a vida de modelo/digital influencer.

Retrospectiva 2017 – Lyn Slater:  descubra como ela se tornou um ícone de moda “por acidente”.

 

DIY Mania: a febre da customização

A personalização foi outra palavra-chave do ano. Entre roupas e bolsas pintadas à mão e peças monogramadas, todos querem passar a sua mensagem. Essa tendência trouxe à tona a necessidade de verbalizar causas e transformar peças de consumo em massa em algo mais único e especial.

Customização: aprenda a criar casacos personalizados em casa – Retrospectiva 2017.

Pinturas exclusivas ajudam a personalizar ainda mais os acessórios. Essas da foto são da ilustradora Juliana Tang para a Arezzo.

 

 

Bolsas Birkin Customizadas – Como o modelo luxuoso se transformou em objeto de arte na mão de pintores e escultores

Babado Forte!

Também foi o ano em que os babados tomaram de vez o espaço das franjas reinando de forma absoluta!

Babados são tendência para o verão 2018 Saiba tudo e aprenda como usar

 O item mais desejado de 2017

2017 foi também o ano dos cristais e as botas super brilhantes da Saint Laurent, desfilada no Fall 2017 da grife foram a grande estrela dessa tendência.

A peça inteira cravejada de cristais custa 10 mil dólares e se tornou peça it entre celebridades fashionistas. Rihanna, Céline Dion, Kendall Jenner, Cardi B Blac Chyna foram algumas delas e, a mais recente a levar alguns pares (sim, no plural) foi a cantora Beyoncé.  Confira fotos das celebs usando o hit na L’Officiel.


Hihanna, Desfile Fall 2007da Saint Laurent, Kendall Jenner – bota de cristais da Saint Laurent foi a peça do ano em 2017

Calçados do Inverno 2018   20 tendências do Preview Couromoda 2018 em sapatos e bolsasA marca Werner – Instagram: @wernercalcados lançou para o Inverno 2018 uma bota inspirada  no modelo da Saint Laurent

13 dezembro 2017
Francieli Hess

Francieli Hess

Francieli Hess é formada em Design de Moda pela UDESC e já estudou Cultura e Progettazione della Moda em Florença. Trabalha como estilista freelancer em Florianópolis e é apaixonada por criação, história, branding e comunicação. Instagram: @fvhess