A arte da cenografia e coreografia equilibradas com a música

por Cyro Del Nero
/ 06 maio 2009

bales-de-diaghilev
Balé de Diaghilev

Década de 20 em Paris. Chegam da Rússia os balés de Diaghilev. Mas o que de mais importante veio foram as cenografias, mais do que as coreografias e o modernismo da música.

Diaghilev era um interessado pelos movimentos da pintura em sua terra e carregou consigo para a França os mestres russos da pintura. Depois acrescentou a eles, Picasso, Braque, Fernand Leger e outros nomes da pintura parisiense.

O balé é o espaço cênico ideal para a invenção pictórica porque a coreografia exige um espaço cênico plano e em grandes dimensões livres. Assim o cenógrafo tem como espaço para sua representação a moldura do palco, o fundo do palco e a criação dos figurinos.  Assim o valor pictórico dos Balés Russos se tornou equivalente aos valores musicais e coreográficos. Assim havia uma unidade orgânica do espetáculo criando um valor característico para a época.

Quando você se lembra de Petrouchka de Stravinsky, a memória lhe traz imediatamente os cenários e a coreografia em perfeito equilíbrio com a música.  É como se o trio – músico, coreógrafo e o cenógrafo – fosse apenas de um autor.

Leia mais no blog do Cyro del Nero

06 maio 2009
Cyro Del Nero

Cyro Del Nero

Cyro del Nero é Professor Titular da Cadeira de Cenografia e Indumentária Teatral do Departamento de Artes Cênicas, Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. Tem experiência na área de Artes, atuando principalmente nos seguintes temas: Cenografia, Indumentária Teatral, Ópera, Televisão, Moda e Artes Gráficas.